A dieta pós-intercâmbio

Essa é uma das partes ruins de voltar pra casa. Além da readaptação, que é bem mais difícil que a adaptação, chega a hora de perder os quilos a mais ganhos nesse tempo fora. Conheço pouquíssimas pessoas que voltaram de um intercâmbio mais magras. Quando fui viajar já tinha em mente que ia engordar, pelo menos um pouco (não imaginei que seria tanto também haha mas faz parte!). Não quis me privar de provar nada, de comer nada que tivesse vontade, porque afinal quando voltasse para casa não ia poder mais comer as mesmas coisas. Sinto falta da comida de lá, e prefiro fazer dieta em casa do que passar um ano que é para ser de novas experiências me privando delas (experiências gastronômicas são uma das melhores partes, ué!).

Sou bem disciplinada quando o assunto é dieta, e por isso deixei pra fazer quando voltasse. Fazia exercícios na Alemanha, academia e corrida, mas isso só impediu que eu continuasse ganhando peso, porque perder mesmo, só comecei a perder aqui. E como é final de inverno e hora de começar a dieta para o verão, acho que esse post vai ajudar quem estiver precisando de uma motivada.

Captura de Tela 2013-08-26 às 19.16.49

Primeiro de tudo, exercite-se. Quando voltei me dei um prazo de uma semana para descansar e voltar à rotina, aos horários e recuperar o sono. Depois disso voltei para a academia e só pretendo sair quando sair de férias, no verão. Vou falar que academia é aquele mal necessário. Eu odeio, mas é o que traz os resultados mais rápidos, uma vez que une musculação e corrida (exercícios aeróbios em geral, eu prefiro correr) num lugar só. Se você faz alguma atividade física que ama, ótimo. Eu porque queria resultados rápidos e horário compatível com a minha agenda.

Captura de Tela 2013-08-26 às 19.17.03

Faça as trocas necessárias. Já fiz um post sobre isso aqui. Não adianta se exercitar e continuar com os hábitos alimentares de sempre. Se você quer resultados, precisa fazer um esforço. A primeira semana é a pior, mas depois o corpo acostuma e você começa a torcer o nariz para alimentos muito gordurosos ou calóricos. Troquei qualquer tipo de refrigerante e sucos artificiais por chá verde e água, troquei todos os lanches por iogurte light ou barra de cereal, cortei todos os doces e sobremesas durante a semana. O começo é difícil, mas depois vira hábito.

Captura de Tela 2013-08-26 às 19.17.10

A dieta começa no supermercado. Se você tiver em casa, dificilmente vai resistir. Então não compre. Parei de comprar chocolates, bolachas, bolos ou qualquer outro doce que sirva de lanche ou sobremesa. Auto-controle nessas horas é fundamental. Não cortei carboidratos nem no almoço nem na janta, que é pra não acabar caindo na tentação de me entupir de besteiras na hora da fome. Almoço e janto bem, mas mudei as proporções, aumentei proteínas e diminui as quantidades de carboidratos.

E a última dica é: não se prive. Aos finais de semana permita-se comer alguma coisa que gosta. Deixo para os finais de semana aquele hambúrguer delicioso ou aquela sobremesa que fiquei a semana inteira querendo comer. Se você se priva de tudo, a chance de escorregar na dieta é maior, por isso um dia de folga é o suficiente.

Com bastante disciplina e um pouco de motivação os resultados logo aparecem, e os quilos a mais viram só mais uma das lembranças do ano que passou.

Inimigo Oculto

Parece nome de filme de suspense, mas não é. Imagine a cena: você quer emagrecer. Compromete-se a comer de modo mais saudável, corta refrigerante, salgadinhos e o excesso de açúcar. Já está nessa há bastante tempo, e nada de o ponteiro da balança baixar.

A alimentação – assim como um bom filme de suspense – está cheia de inimigos ocultos. Aqueles alimentos que achamos que estão nos ajudando a emagrecer, mas que, na realidade, só fazem o contrário. Não que não sejam alimentos saudáveis, mas se seu objetivo é emagrecer, o melhor é tomar cuidado com eles e com suas quantidades.

Cuidado com as castanhas. Uma castanha do pará (uma só!) tem 27kcal. Um punhado, cerca de 40g, 200kcal. E por aí vai…

Já o azeite de oliva tem 88kcal a cada colher de sopa, ou seja, se você exagera ao temperar a salada, pode estar adicionando 160kcal a mais ao prato, de bobeira.

O pão integral de centeio pode ser mais calórico que o pão de fatia normal. Os integrais são mais saudáveis e satisfazem por mais tempo; no entanto, se quer emagrecer, prefira os de grãos como aveia, com menos calorias.

A bolacha de água e sal também merece um alerta. Muita gente acha que pode comer à vontade, mas cada unidade tem 25kcal. Por isso, o melhor é fazer a soma de calorias para o lanche da tarde antes de sair abrindo o pacote.

Os sucos naturais podem ter tantas calorias quanto o refrigerante. São muito mais saudáveis, mas, ainda assim, calóricos. Prefira sempre os menos calóricos, como limão e abacaxi, com adoçante, sempre. Preste atenção às quantidades e fuja dos copos de 400ml e 500ml. Evite também os sucos “turbinados”, com combinações de várias frutas.

Com o açaí na tigela, a matemática é básica: quanto mais você adiciona, mais calórico fica. Não quer passar sem uma tigela de açaí? Peça puro, sem adicionais. Xarope de guaraná, granola e banana são algumas das combinações que o tornam super calórico.

Para o biscoito integral vale a mesma regra da bolacha água e sal: preste atenção às quantidades. É integral e muito mais saudável, mas não está livre de calorias. Faça sempre a conta, e não ache que pode comer o quanto quiser.

Chocolate diet é o que engana a maioria das pessoas. Ele foi feito para quem não pode comer açúcar, e ponto. Se você quer emagrecer, mas não tem nenhum problema, passe longe. 30g de chocolate diet têm mais calorias que um Chokito (pasmem!), e mais gorduras que um chocolate normal.

E o maior erro de quem está de dieta: ficar muito tempo sem comer. Não faça isso nunca, ouviu bem? Os longos períodos sem comer desaceleram o metabolismo, ou seja, você passa a queimar calorias com muito mais dificuldade. Além disso, aumentam a fome na próxima refeição, e você acaba exagerando. Por isso, se quer perder peso, coma de 3 em 3 horas, de preferência, e preste atenção ao que está comendo. Os resultados virão com muito mais facilidade.

O post foi feito com o auxilio da nutricionista Maria Emilia de Souza Fabre, CRN 0137, e os valores energéticos foram retirados da Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TACO), que pode ser conferida pelo site da Unicamp. Aliás, para quem está de dieta, uma boa opção é baixar a tabela para ter à mão, quando quiser consultar.

Look de academia

Que atire a primeira caneleira quem nunca saiu para a academia com uma roupa que jamais deveria ser vista em público. Quando pensamos em academia – e em malhar, principalmente! – a preguiça toma conta: para que me arrumar se vou lá justamente para suar a camisa?

Acontece que isso não é motivo para sair de casa vestida de indigente. Muito menos o extremo oposto: academia também não é balada (acredite!). Dá para ficar confortável e com um visual legal, sem cair no exagero, mesmo nessas horas. Afinal, pode ser que o príncipe encantado esteja justo na esteira ao lado.

Não adianta: quando a temperatura cai, a preguiça aumenta, assim mesmo, numa equação inversamente proporcional. Colocamos roupa em cima de roupa como se não houvesse amanhã e às vezes esquecemos que, uma vez na esteira, o que importa é o que está por baixo. Por isso, mantenha o básico. Legging (de preferência preta, cinza, marinho, mesclado ou variações discretas), camiseta/regata e moletom/jaquetinha por cima. Prefira os mais ajustados no corpo (deixe o seu GAP GG super confortável em casa). Se estiver muito frio, uma jaquetona/casaco por cima de tudo é o suficiente.

Em dias normais, em que só uma regatinha basta, a premissa é a mesma: faça o básico. Pode ser o básico com bossa, como uma cor na camiseta, um top aparecendo por baixo da regata, um tênis colorido. Se você é das minhas, passe longe de macacões, legging branca/neon/super estampada, e, por favor, camisetas de abadá. Ninguém merece, muito menos você (e a sua integridade).

Uma opção que amo para os dias mais quentes ou para você que quer exibir as pernas que esculpe há 300 aulas de spinning: running shorts. Pode jogar com regata ou camiseta, sem medo. Se o shorts for bem justinho, como nas primeiras fotos, a parte de cima deve ser larguinha e mais comprida. Se o shorts for larguinho, pode colocar uma parte de cima justa, sem problemas.

Questões controversas: a tal da barriga de fora! Minha opinião: quem tem o corpo (bem) em dia (e a autoconfiança também), pode exibir sem problemas. Acho que nem se eu tivesse o corpo da Deborah Secco teria coragem, mas, né, bem que gostaria. Favor respeitar os limites de idade. Sem querer ofender ninguém, mas isso da barriga de fora na academia tem idade, mesmo que você seja o clone da Sharon Stone.

Esse shorts da Ashley Tisdale, na primeira foto, me despertou desejo absoluto. Fui atrás e a marca é Lululemon. O site inteiro tem peças super legais de academia e vale o clique. Não entrega no Brasil, mas se você estiver de passeio na gringa, fique de olho. Outra opção, que dessa vez entrega no Brasil, é a americana Abercrombie & Fitch. As camisetas de lá vestem melhor que qualquer outra que conheço.

Academia e dignidade. A gente vê por aqui.

Motivação na academia

Sabe aquilo que dizem sobre como a gente se acostuma a ir à academia, e uma hora passa a gostar? Na minha opinião, isso é mentira. Não que o corpo não sinta falta: quando se mantém uma frequência de exercícios físicos, alguns dias sem praticar fazem o corpo dar sinais de que precisa gastar energia. Mas isso não significa – nem por um segundo! – que naquela segunda feira chuvosa, depois de um dia cheio, você vai desligar a novela – bem naquele capítulo que está ficando ótimo – e ir à academia estampando um sorriso no rosto.

A maioria das pessoas que gostam de exercícios físicos são aquelas que praticam algum esporte, como dança, futebol ou natação. Conheço pouquíssimas pessoas que realmente curtem ir à academia. Para as mortais que, como eu, não se encaixam em nenhuma das categorias mencionadas, o segredo está na motivação.

Por isso, reuni aqui 4 dicas que vão aumentar (um pouco) a boa vontade na hora de malhar:

Escolha quem servirá de inspiração. É mais fácil fazer sacrifícios com uma meta definida. Mas pés no chão: procure fotos reais, de pessoas na praia, no calçadão ou em situações do dia-a-dia, sem muita maquiagem e sem photoshop; e mantenha o foco no seu tipo físico – cada um tem o seu e você só se frustará se buscar aquilo que é irreal para o seu corpo.

Música! Não conheço nada que dê mais motivação para se exercitar que a trilha sonora perfeita. Reuni acima algumas músicas que estão na minha playlist de academia.

Boa companhia é sempre motivador! Quando mais gente, melhor, e menores as chances de resolverem – juntas! – não ir. O melhor: ter sempre alguém que vai ligar e cobrar que você esteja lá!

Que mulher não se sente motivada quando sabe que vai usar uma peça nova? Principalmente se ela realmente fizer diferença no desempenho.

E da próxima vez que for à academia, abra um sorriso – nem que seja forçado! Para se fazer lembrar que está fazendo isso por um bom motivo.

Trocas Inteligentes

Como muita gente sabe, minha mãe é nutricionista, e, querendo ou não, cresci aprendendo tudo sobre nutrição. Queria começar uma tag aqui no blog para falar sobre esse assunto, e pedi ajuda dela para isso. A partir de hoje, vou postar sobre como mudar a alimentação de forma saudável, dicas de como emagrecer com saúde e outras curiosidades sobre beleza e boa forma. Espero fazer isso de forma leve, afinal, dieta rigorosa não é o objetivo aqui, e, muitas vezes, são os pequenos detalhes despercebidos que fazem a diferença. O post de hoje é sobre trocas inteligentes que podemos fazer no dia-a-dia, por opções saudáveis e menos calóricas, mantendo o mesmo tipo de refeição e ainda assim comendo bem. Quem faz promessa toda semana de mudar os hábitos alimentares e emagrecer, não tem mais desculpa!

Além da diferença calórica (são mais de 600kcal, gente!), um lanche de fast food, com batata frita média e coca-cola normal tem muito mais gorduras, sódio e conservantes que a opção saudável, e que sustenta igual: sanduíche de pão integral + peito de peru + queijo prato + rúcula, acompanhado de suco de abacaxi.

Troque o sorvete de chocolate (ou baunilha, ou flocos, qualquer sabor normal) que tem 120kcal/bola (são 240 a 360 por taça!) por sorvete light (60kcal/bola), sorvete tipo frozen (37kcal/bola) ou picolé, que pode ser de frutas (limão, abacaxi – 60kcal/unidade) ou light da Molico (52kcal/unidade). A maior diferença está na quantidade de gordura e açúcares, o gosto do sorvete light é praticamente o mesmo do normal!

Troque a massa à carbonara ou ao molho branco/de queijo por molhos ao sugo ou bolonhesa, que têm menos da metade das calorias!

Na hora de sair, troque a caipirinha de limão com vodka e açúcar por sakerinha de morango, com adoçante. E cuide com as quantidades: muita gente esquece que a bebida pode ter tantas calorias quanto a comida: o álcool é super calórico.

Ainda no tema barzinho/restaurante, troque os petiscos: de batata frita para torradinhas ou pães com patê de ervas (ou com um fio de azeite e alecrim). Livre-se da gordura e das calorias extras!

Na hora do café, troque o capuccino por café com leite desnatado e adoçante. Se quiser fazer melhor, troque por um expresso com adoçante: 2kcal, apenas!

Lembre-se que pequenos detalhes fazem uma diferença enorme e podem ser o motivo de uns quilos a mais ou a menos no resultado final. Isso não quer dizer privação: uma vez ou outra, permita-se escolher a opção de que mais gosta, mas não faça disso um hábito.

Lembre-se também de que cada caso é um caso, e dietas específicas ou objetivos maiores de emagrecimento devem ser acompanhados por um nutricionista.

O post foi feito com a ajuda da nutricionista Maria Emilia de Souza Fabre, CRN 0137.

Gostam de posts assim??