Londres

Mal cheguei de Paris (e ainda nem paguei minha dívida de colocar uns post sobre a cidade aqui) e estou fazendo as malas para embarcar amanhã para Londres. 😀

Dessa vez consegui me programar melhor e avisar antes de ir, apesar de que ainda to mal de programação porque nem fiz as malas e já é meia noite. De qualquer forma, espero voltar semana que vem com muitas e muitas novidades para vocês.

Sempre quis conhecer a cidade, e ainda nem sei o que esperar, para falar a verdade, mas uma volta na London Eye e uma visita ao Big Ben (e quem sabe um pratão de fish&chips) com certeza estão na minha lista de coisas para fazer. Se alguém tiver alguma dica para dar, pode deixar nos comentários que vai ser muito bem-vinda.

No mais é isso, e vamos aproveitar.

See you soon 🙂 🙂

Babado

O peplum (resistindo à vontade de pronunciar pê-plum) já tá mais que arraigado, digamos assim, nas araras mundo afora. Ele voltou com tudo há algumas estações, e por mais que ninguém aguente mais ouvir falar, está – e vai continuar! – super atual. Se você ainda não tem um no armário, se prepare. As próximas estações por aqui estão vindo lo-ta-das de peplum. Seja na blusa, na saia, no vestido e até no trench coat. Seja Zara, H&M, Dior ou a lojinha da esquina. Tem em tudo quanto é lugar e não é para menos: é democrático, feminino e dá um toque todo especial àquela roupa a princípio meio sem graça. Quer ver só?

Na blusa fica uma fofura, e define a silhueta sem esforço algum. Lembrando das proporções, dá para usar com saia ou com calça, desde que a parte de baixo seja justa: uma saia lápis/bandagem e calça skinny são as melhores companhias.

É por causa de gente como Kim Kardashian que digo que o peplum é democrático. A princípio, parece o truque perfeito para aumentar o quadril de quem não tem muitas curvas, mas olha Kim aí mostrando que não, nem sempre: quando o babado começa um pouco acima do quadril, na altura da cintura, ele deixa de ser um problema.

Para tirar a prova real, olha aí Lalá Rudge, o tipo físico oposto de Kim Kardashian, sambando a beleza no peplum. Acho lindo para o comprimento assim, na altura dos joelhos, porque dá aquele toque a mais. O primeiro look é meu preferido, e acho que o peplum no vestido (ou na blusa/saia, quando é da mesma cor, parecendo um vestido) é a forma mais legal de usar.

Vai do dia para a noite, sem problemas, e também vai de Kim à Kate, passando até pelo color block. É o detalhe que completa mas não enche de informação, e ainda permite brincar mais com a roupa (com um acessório ou uma cor mais chamativa). Vai bem com quase tudo e fica perfeito com salto alto, não importa se você vai na balada mais próxima ou num evento oficial da família real. E se não tiver nenhum evento real marcado na agenda, é uma pena o peplum vai para qualquer outro lugar com você. Então garante já o seu (e pode ser em qualquer peça, afinal ele está em todas), para depois eu não dizer que te avisei.

Halloween em Hollywood

Todo ano é a mesma coisa. Americano adora um dia das bruxas e, citando o popular e renomado Meninas Malvadas, é a única época do ano em que as mulheres podem colocar lingerie e orelhas de animais sem serem chamadas de *****. Nada contra, mas não aguento mais ver Kim Kardashian e Paris Hilton mostrando toda a falta de criatividade e tecido nas revistas e JustJareds afora. Todo mundo já entendeu qualé, e ninguém mais acha graça. Daí que esse ano bati de frente com essas duas e amei a fantasia, a escolha e a criatividade, sem falar no resultado final. Se fosse pegar emprestada alguma ideia para o carnaval, com certeza seria a de Ale Ambrósio ou Emma Roberts.

Alessandra Ambrósio, que leva o papo de Angel a sério demais, surgiu morena, linda e a praticamente um protótipo do desfile de final de ano vestida de general militar (que podia muito bem ser um piloto, sei lá, tudo igual). Amei a escolha não tão óbvia não só do tema como da fantasia em si: fugiu do verde militar e apostou no cinza com vermelho. Achei deusa, não só pelo metro e meio de pernas mas também pelo cabelão e a maquiagem impecável. O batom vermelho ficou perfeito para a roupa.

Já Emma fez uma homenagem à tia, Julia Roberts, e foi de Vivian Ward, em Uma Linda Mulher. Achei uma fofura, não só a homenagem como a fantasia copiada à perfeição (e sem afetação). Já acho Emma uma graça, mas passei a gostar ainda mais. Julia virou a Julia Roberts depois desse filme, e sempre será lembrada pelo papel, por isso achei que nada mais legal, criativo e fácil de fazer do que essa fantasia de Emma.

A quem interessar possa, Paris Hilton foi de Alice no País (pornô) das Maravilhas num dia e fada no outro, Kim Kardashian foi de sereia (achei esquisito). Jessica Alba, o marido e as filhas foram de Os Incríveis (fofo e mais família impossível, mas quem nunca?), Hilary Duff foi de esqueleto (?) e Rosie Huntington-Whiteley foi com uma fantasia hipster não identificável. E o resto foi tudo mais do mesmo.

#casamentolalaeluigi

Post plantão na madrugada (por aqui, pelo menos…) porque um dos momentos mais esperados do ano chegou. Lalá casou! Vai, chamem de exagero, mas amo o blog da Lalá Rudge, também amo o estilo dela, e, por isso, nada mais justo que ficar ansiosa para saber como ia ser o vestido do grande dia.

E foi assim que ela entrou na Igreja Nossa Senhora do Brasil. A única palavra que me vem à cabeça é: impecável. Deslumbrante todo mundo já sabia que ia ser… O estilo princesa do vestido também. Mas achei que, ainda assim, superou minhas expectativas. Sei que tem alguém que vai dizer que não gostou e tudo mais, e olha: também não é meu estilo de vestido, mas eu amei. Achei que ela ficou perfeita, deusa, como ela mesma diz, e que o vestido casou perfeitamente com o jeito dela.

A Igreja também estava incrível. Muuitas flores, a decoração toda em branco e verde. O lugar em si já é muito bonito, mas ficou ainda mais. E o que é a cauda desse vestido? Perfeita. Não mudaria nada, nada, nem um mísero milímetro a mais ou a menos.

A maquiagem foi linda e leve, um esfumado em tons de marrom que Rosman Braz faz perfeitamente bem e que Lalá sempre usa. Lembro de uma frase da Vic Ceridono, sobre maquiagens de casamento, sobre como você deve se maquiar como sempre faz, na medida do possível, para estar linda mas ainda ser você mesma. Lalá fez isso com louvor.

E como é impossível não comparar, olha as referências aí: Kate Middleton e Grace Kelly, duas princesas e duas noivas maravilhosas. Enquanto que o bordado da saia e o decote da Lalá lembram Kate Middleton, a faixa na cintura e os cabelos presos lembram Grace Kelly. Sem dúvida alguma, Lalá casou como uma princesa. Mas também, alguém realmente achou que seria diferente?

p.s.: o título do post é a tag para o casamento da Lalá no Insta.gram, então se quiser conferir, procura lá. Também é do Insta.gram que saíram todas as fotos do casamento que usei. Peguei do perfil do Sandro Barros, do da Boutique de 3, do da própria Lalá e da família dela e com certeza de uns convidados que não conheço. Favor não me processar.

Make up time

Acabei de falar sobre Millie Mackintosh no post de domingo, e vi esses dias um vídeo incrível da Tanya Burr, que é também maquiadora e amiga de Millie, fazendo a maquiagem dela, passo-a-passo. A make ficou linda, os produtos usados são bem simples (paleta NAKED da Urban Decay e batom da Rimmel, marca super baratinha, além dos cílios postiços da própria Millie). Ideal para fazer em casa.

O final de semana já acabou, mas o próximo logo, logo está aí. Para botar em prática já 🙂

Millie Mackintosh

Ela é a Olivia Palermo londrina, mas você provavelmente nunca viu mais gorda. Ela é a estrela de Made in Chelsea, e aí você se pergunta: Made in quê?

Made in Chelsea. O reality show inglês é a versão com sotaque gracinha de The Hills (ou Laguna Beach, ou uma dessas variações) e mostra o dia-a-dia da elite londrina e seus problemas de gente rica. Camilla Mackintosh é herdeira/maquiadora/estagiária-da-Glamour, uma das protagonistas do programa e uma graça. Metade de Londres a odeia, dizem por aí que ela não é das mais simpáticas mas, quem liga? Não assisto ao show mesmo o importante é que ela é fonte fresca e inesgotável de inspiração, tanto na hora de se vestir quanto na hora de se maquiar, e tem um estilo mais leve – e bem mais usável – que o da sósia americana.

Millie é uma mistura de Olivia Palermo com Cláudia Abreu. Esse comentário foi totalmente irrelevante. Vamos às roupas:

A diaba sabe se vestir. E ao mesmo tempo, leva tudo na simplicidade. Nada de estampas mirabolantes, sapatos esquisitos, casacos de pele. Com ela uma skinny de couro e uma blusinha qualquer já fazem o trabalho, e vão da rua à estréia de filme no tapete vermelho.

Como também é filha de Deus, Millie adora uma tendência. E ela trabalha na Glamour, então vamos dar um tempo. Ainda assim, passa longe do exagero. Calças estampadas e muuuito peplum (eu amo!) compõem o guarda roupa dela, e eu diria que é um estilo tão bonito e ao mesmo tempo tão simples, que é impossível não conseguir recriar em casa.

Quando a ocasião pede, Millie põe as pernas de fora e pára o trânsito (eu sei que esse acento nem existe mais, mas não consigo evitar. Mais uma vez, irrelevante). Fiquei apaixonada pelo segundo look, com o cabelo preso. O vestido é super simples, mas o cabelo, a maquiagem, a pose, os sapatos e até as unhas pintadas deixam tudo mais especial, e o resultado é incrível.

Quando o evento pede longo, eu poderia copiar o parágrafo anterior e colar aqui. Simples e linda. O primeiro vestido verde, que poderia estar pendurado em uma loja de vestidos de qualquer esquina, ficou uma graça – e ainda assim sexy! – e o do terceiro look é a tradução do menos é mais. E quando uma mulher consegue atrair elogios de homens e mulheres com a mesma roupa, eu diria que é um Jackpot. Não é fácil, e ainda assim tem gente que tira de letra, como Millie.

Resumindo, ela não só se veste bem como faz maquiagens incríveis, acabou de lançar uma marca de cílios postiços que leva seu nome (e por favor, quem lança cílios postiços merece meu respeito) e namora um rapper chamado Professor Green (respeito nem tanto agora). Camilla tem um estilo que transcende as barreiras do rótulo de reality show. Ainda bem.

Paris!

Bonjour à tous! Passei aqui rapidinho para pedir mil desculpas pela ausência inexplicada, mas (espero!) compreensível: estou passando uns dias em Paris 🙂 🙂

Sou apaixonada pela cidade – já até fiz post aqui – e aproveitei que minha cunhada está morando por aqui para vir me empanturrar de crepes de nutella, passear pelo Quartier Latin e gastar dinheiro na farmácia da Rue du Four.

Paris é linda e de tirar o fôlego, e não canso nunca de visitar. Mesmo os lugares de sempre são encantadores, todas as vezes. É como assistir a Friends e rir sempre nas mesmas partes, mesmo já sabendo qual vai ser a piada. Não tem como não amar.

Oui, a cidade é cara e lotada de turistas, e ninguém avisa, mas aqui chove praticamente todo dia, só que ainda assim, vale muito a pena.

Quando voltar para Berlim conto tudo com mais calma por aqui, posto algumas fotos, dou dicas de compras e conto do roteiro peculiar que escolhi fazer nesses dias, que envolve lugares não tão famosos e meu livro preferido. Por enquanto, ficam as minhas desculpas pela ausência e quem sabe um ou outro post sobre comprinhas e tendências que vi por aqui, para subir mais tarde! Não é promessa, mas vou tentar… Au revoir!