A boca da Kylie Jenner

instagram da Kylie Jenner - boca

Se Kim Kardashian quebrou a internet, Kylie Jenner quebrou ao menos o instagram – e o melhor: postando selfies. Vamos dar o crédito aqui, porque enquanto eu não consigo uma única selfie descente (e olha que eu tento!), Kylie faz parecer que o negócio não dá trabalho.

A discussão toda em torno da boca da menina já virou até hashtag no Twitter (#kyliejennerlips), e quando sua boca ganha a própria hashtag, é porque tá sério. Tem quem diga que é preenchimento, tem que diga que é o tal do Candy Lips (ao qual eu tenho pavor), e há quem diga – a própria Kylie, inclusive – que é só maquiagem. Independente do que for, o consenso é o mesmo: a boca tá mesmo diferente (e tá linda).

comparando a boca antes e depois Kylie Jenner

O assunto já incomodou muito Kylie Jenner nas redes sociais, a ponto de ela falar que acha um insulto insinuarem que fez cirurgia plástica, e que é realmente só maquiagem. Em entrevista à Grazia, ela revelou que passa bastante tempo definindo os lábios (40 minutos, tá bom?) e usa mil produtos ao mesmo tempo, entre batons e lápis em tons de nude, para definir a boca – e você aí tentando replicar o bocão em casa com um batom só, sabe de nada.

kylie jenner com batom pink

Então como toda boa fé é presumida, vamos esquecer os boatos por um momento e focar no que importa e no que Kylie Jenner garante que funciona: o milagre da maquiagem. Não é que dá pra recriar em casa? Parafraseando Eliana, você vai precisar de:

– Paciência (talvez fique péssimo na primeira vez que você fizer, mas vai melhorando com a prática);

– Um lápis labial (pode ser de qualquer cor, mas se quiser #kyliejennerlips, vá de nude, num tom acima do batom que você usar);

– Um batom matte (não dá pra ser satin, não dá pra ser cremoso, tem que ser matte – e se quiser fazer como Kylie, pode escolher vários tons);

– Base e corretivo que você já usa normalmente.

O segredo é delinear bem acima da linha natural dos seus lábios, mas só na parte central da boca. Os cantos das linhas devem juntar com os cantos naturais da sua própria boca. Depois de preencher os lábios, o resto é só jogo de luz e sombra: coloque o tom mais escuro do lápis dos cantos externos da boca, e dê uma pincelada com os dedos de corretivo na parte central, misturando bem para o acabamento ficar o mais natural possível. Quanto mais matte, mais natural o acabamento, então nada de brilho, nem gloss nem nada, ok?

kendall e kylie jenner em fotos mais naturais

E se você ainda não acredita que é possível, olha essa querida provando o contrário:

Agora antes de sair falando que a amiguinha fez preenchimento, você já sabe que pode ser tudo truque. Que na verdade ela só é incrível na maquiagem, e que se Kim Kardashian é a rainha do contouring que parece plástica, Kylie Jenner também pode ser.

Anúncios

Por que 30 não é o novo 20

Assisti esses dias a um TED Talks da psicóloga Meg Jay, intitulado Why 30 is not the new 20 (que dá para assistir aqui). Meg dá uma aula para todos os 20-e-poucos por aí, explicando por quê não dá para esperar para resolver a vida aos 30. Tudo que ela falou vai ao encontro do que eu penso e das decisões que tomo hoje, aos 23 anos. Se você está naquela fase da vida em que não sabe qual o próximo passo e o que você realmente quer fazer daqui pra frente (seja na profissão ou na vida pessoal), esse vídeo foi feito pra você.

Meg recebe em seu consultório garotas na faixa dos 25 desesperadas por não saberem o que fazer da vida, seja por estarem numa profissão que não gostam ou num relacionamento frustrado. Também recebe mulheres de 30 frustradas porque acabaram casando com o primeiro homem que apareceu, uma vez que todas as suas amigas já estavam casando e tendo filhos – e postando tudo isso no Facebook. Como se a vida fosse uma dança das cadeiras, e a música tivesse parado, e elas tivessem corrido para a primeira cadeira que viram, com medo de ficar sem lugar.

Captura de Tela 2014-05-25 às 13.55.48

A questão, diz Meg, é que muitas meninas acabam empurrando os 20 com a barriga, ficando num emprego que não gostam, num relacionamento que não tem futuro, porque dizem que isso é só do momento, e que elas pretendem mudar – de emprego, de parceiro – quando a oportunidade chegar. Quem nunca ouviu um “eu sei que ele não presta/não é para casar, mas estamos só curtindo, não quero nada sério”? E aí o tempo passa, os 30 chegam, e parece que é muito tarde para mudar, para tomar decisões arriscadas, já que todas as suas amigas já estão formando suas famílias.

Meg expõe – e isso é quase um mantra pra mim! – que a hora de criar oportunidades e mudar a sua vida é agora. Não é mais pra frente. A velha história do nunca é tarde, que pode até ser verdade para certas coisas, pode acabar fechando uma porta que estava aberta só temporariamente. Os jovens na faixa dos 20, diz ela, são como aviões deixando o LAX, aeroporto de Los Angeles. Uma pequena mudança de planos nos estágios iniciais da decolagem pode ser a diferença entre pousar no Alasca – ou em Fiji.

O que isso quer dizer? Bem, que aos 20 anos, qualquer pequena decisão que você tomar pode influenciar o resto da sua vida. Seja ligar para um antigo colega de classe que pode te dar uma indicação para o emprego que você sempre quis, ou aceitar uma proposta para morar fora. Seja terminar aquele relacionamento sem futuro ou aceitar o convite para sair com aquela sua amiga que quer te apresentar o primo dela há horas. Isso pode levar a consequências incríveis que você nem previu quando tomou a decisão em primeiro lugar.

Captura de Tela 2014-05-25 às 13.55.58

Ela também fala da importância de investir em você. De se auto-conhecer, e de investir naquilo que te tornará a pessoa que você quer ser aos 30 anos. Seja começar a levar a academia a sério e finalmente perder os quilos que você se propôs a perder 5 anos atrás, ou começar um curso de línguas que te qualificará para uma melhor posição na empresa; seja finalmente aprender a cozinhar, ou viajar para a Europa sozinha e visitar lugares que você sempre sonhou em conhecer. A hora é agora, até porque hábitos são mais fáceis de se criar enquanto você é jovem, e a tendência é você ter cada vez menos tempo – e oportunidade – para fazer essas coisas daqui uns anos.

Então se você está nessa fase da vida em que não se sente feliz ou realizado com sua vida como ela é hoje, a receita é essa. Invista em você, em ser a pessoa que você gostaria de ser daqui uns anos, atente-se a todas as oportunidades – e crie oportunidades, se precisar -, não tenha medo de mudar, ou de sair da sua zona de conforto. Mais para a frente, quando você tiver seus 30 e poucos, vai agradecer à pessoa que era aos 20, que possibilitou que você chegasse aos 30 estando exatamente onde queria estar.

E a quem interessar possa, Meg Jay escreveu o livro que deu origem à palestra, A Idade Decisiva, que dá para encontrar na Amazon, na Saraiva e provavelmente em demais livrarias. Ainda não li, mas já é o próximo da lista.

3 motivos para assistir a The Fall

The Fall é uma série inglesa, rodada na Irlanda do Norte, que estreou em 2013 na Europa e logo chegou ao Netflix. Em resumo, conta a história de Stella Gibson, uma detetive que chega à cidade de Belfast e passa a trabalhar no caso de um assassino em série, que estrangula determinadas mulheres sempre seguindo um padrão, e nunca deixa pistas. Mas isso é só uma introdução para te dar três bons motivos para assistir a The Fall:

Captura de Tela 2014-05-23 às 14.51.10

1. Jamie Dornan. E não apenas Jamie Dornan, mas 50 tons de Jamie Dornan. Ou pelo menos 2. Ele é pai de família, ama os filhos, trabalha como psicólogo, mas por outro lado… é um assassino em série. A diferença entre o pai que leva os filhos para a escola e o homem que mata mulheres sem dó nem piedade é aterradora, e vai te fazer pensar em quantas pessoas perturbadas andam soltas por aí. Ou quase isso, porque sempre que Jamie entra em cena em vez de me encolher eu penso: vem me fazer de vítima aqui em casa!!!!

Captura de Tela 2014-05-23 às 14.51.18

2. Jamie Dornan. A série se passa em Belfast, uma cidade irlandesa que é só chuva e dias nublados, mas que também é a cidade natal de… Jamie Dornan. A filmagem é bem estilo europeu, a trama é complexa e se desenvolve devagar, a primeira temporada tem apenas 5 episódios de 1 hora cada um (mas a segunda temporada já está sendo rodada!). Pessoalmente, prefiro esse estilo de série, que faz a coisa toda parecer mais real. Assassinos assim dificilmente são pegos da noite para o dia, e há vários ângulos e aspectos da história que são explorados ao invés de passarem batidos, como em séries americanas. A série também foi aclamada e recebeu muitos elogios aí afora, quer motivo melhor?

Tudo bem, aí vai o terceiro:

Captura de Tela 2014-05-23 às 14.51.25

3. Jamie Dornan. Gillian Anderson, que faz a detetive Stella, está impecável no papel. Ela é durona, inteligente e feminista até de mais, e é sensacional. Já tinha visto ela em Great Expectations, da BBC, e achei que ela está ainda melhor em The Fall. Mas também tem Jamie Dornan – sem brincadeira! juro! – que desempenha o papel incrivelmente, e já até faturou uns prêmios por aí pela atuação na série.

Assisti à primeira temporada numa só sentada, e mal posso esperar pela segunda. Se você ainda não se convenceu, dá uma olhada no trailer aí:

E se você ainda não se convenceu depois disso, aqui vai meu argumento final: há várias cenas de Jamie Dornan sem camisa. Com isso encerro minha defesa e me dou ganho de causa.

Olivia Palermo

Ela é referência de estilo, dona de um bom gosto inconfundível, famosa por misturar lé-com-cré e não errar nunca. Além disso, já foi vilã de reality show e há pouco tempo ficou noiva desse cara aqui, (que só podia ser alemão, diga-se de passagem <3). O cartão de visitas tá bom ou quer mais?

1

O guarda roupa é invejável, mas a verdade é que Olivia fica bem com tudo. Bônus para a maquiagem e o cabelo sempre feitos, o que ajuda em muito o visual, mas mesmo quando vai levar totó (ou sei lá o nome do cachorro) pra passear, a cara lavada é uma pele perfeita + óculos escuros, e ninguém nem percebe que ela saiu sem maquiagem.

2

Ela usa de tudo. Muita calça jeans, couro, pele, camiseta, moletom, salto, tênis, macacão com bota. E fica linda. O segredo, além do bom gosto, é a postura. Olivia tem aquela postura de quem caminha e diz “abram, súditos”. Quem se sente bem no que está vestindo normalmente segura o que for. #fikaadika #plebe

3

É o high-low que deixa tudo tão legal e fora do comum. Quando a gente tá esperando um salto, Olivia veste tênis, quando espera um moletom, ela vai de casacão de pele. Admiro muito quem se veste assim, seguindo a própria intuição e confiando no próprio estilo (mas com noção, ok, noção!). A chance de Olivia sair na rua e encontrar alguém vestindo a mesma coisa é… tipo… zero. E isso é bem legal.

4

Ó que gracinha que fica com tênis. E pasmem, esse primeiro é um Nike Free Run, daqueles de acadjimia, num look que eu usaria já. Muito amor!

5

E um jeans + camisa branca, e jeans + jeans, provando que se vestir pro trabalho pode ser bem legal e que você é que é entendiante. Olivia poderia ter o seu guarda roupa e te deixar no chinelo, e é por isso que Olivia Palermo… pega o Johannes e você não é Olivia Palermo.

Entendeu meu ponto?

A escova perfeita

Sempre fui um zero à esquerda para fazer cabelo. Mesmo uma escova. Maquiagem? Sim. Fazer minhas próprias unhas? Também. Matemática básica, pintura com guache, edição de powerpoint, física quântica, eu faço. Cabelo… Não.

Já fiz até resolução de ano novo para aprender, e até ontem eu era um desastre. Aí eu vi esse vídeo, e decidi que o compartilhamento era necessidade pública. Então, para todas vocês que não sabem fazer escova, esse vídeo mudará suas vidas:

O jeito simples de seccionar o cabelo melhora em 500% o aproveitamento das suas habilidades, mesmo se elas forem nulas (como as minhas). A maneira de dividir o cabelo em várias partes e solta-las aos poucos, como faz seu cabeleireiro, é muito difícil para replicar em casa, se você também é uma morsa inapta como eu. Aí que dividir o cabelo dessa forma é muito mais fácil e mais eficiente. Prova disso é que tentei eu mesma – e fui muito bem sucedida de primeira!.

Dou a minha palavra que depois dessa você consegue fazer uma escova decente em casa. Se você não conseguir desista. Não é pra você.

Captura de Tela 2014-02-16 às 21.58.45E falando em escova, olha dois jeitos fofos de mudar o visual liso!

Let’s talk Fifty Shades

Quando comecei a ler 50 Tons de Cinza, em abril de 2013, achei o livro bem nada demais. Demorei 8 meses (eu disse oito. meses.) para terminar, e só terminei mesmo porque tava sem muito o que fazer final de ano. Como o livro termina num cliffhanger é impossível não começar o segundo, e uma semana depois eu tinha terminado os 3 livros. Eu só digo a quem não leu que dê uma chance. O segundo e o terceiro livros são realmente bons e, na minha opinião, surpreendentes, com muito mais história do que só sexo. Mas também tem bastante sexo. Mas vamos falar do filme.

1

As filmagens começaram fim de ano, e o filme tem previsão para estrear em fevereiro de 2015 (2015! aguentaí). O casting foi bem polêmico, como em toda grande adaptação de livro para cinema, e apesar de eu achar Dakota Johnson a pessoa não muito certa para o papel (certa seria eu, mas não falaremos sobre isso), Jamie Dornan como Christian Grey foi o personificação dos meus sonhos. Declaro esse homem o mais bonito – e charmoso! impossível ver uma entrevista com ele e não se apaixonar! – do mundo (mas o moço é comprometido, choremos).

Jamie é muita areia para o caminhãozinho da Dakota, na minha opinião, apesar de, nas entrevistas, a moça até levar jeito. No entanto não me conformo com a escolha de Kate, que na minha cabeça será sempre Katie Cassidy. Enfim, cortemos as balelas e vamos às cenas que estão em fase de filmagem, segundo o PopSugar:

2

O primeiro café (ou chá, mais propriamente. Twinings English Breakfast, alguém?). Dakota aka Ana não me convence, sempre imaginei Alexis Bledel. Já Jamie Dornan não interpreta Christian Grey, ele é Christian Grey (salvas também para o carinha esqueci-o-nome-dele que faz o José, exatamente como eu imaginava). Moving on.

3

Tá reconhecendo? Certeza a gente não tem de nada nessa vida, mas posso apostar que essa é a roupa que Ana vai para a entrevista com Christian. Aí tá mais ou menos como eu imaginei, apesar de que, no livro, a saia era marrom e o blusão azul #aquelasquenãoperdoam

5

Não sei que cena é essa, só sei que as Uggs são mero artifício para aquecer os pés, e não parte da filmagem. É muita pouca areia para Jamie Dornan. Por quêêêêêêê????

4

Dakota aka Ana sendo estabanada e caindo nos braços (e que braços) de Jamie Dornan. Não me canso desse homem. Olha a cara de Christian Grey, sobrancelha franzida e tudo.

6

Ahhhh e essa cena, tá reconhecendo? O vestido ameixa, o contrato nas mãos, o Heathman de Portland #meabana. É aí que tudo começa, minha gente. Essa história a princípio bem sem graça, mas que acabou conquistando o meu, o seu, o nosso coração e que terminou perfeitamente (na minha humilde opinião), deixando a gente morrendo de vontade de ler mais.

E se você ainda não deu uma chance ao livro, aqui vai uma boa razão:

7

JAMIE DORNAN, MULHERADA! 

Mentira (ou quase. Ter em mente Jamie Dornan ao ler as cenas é bem incentivador). O livro é sim uma delícia, melhora muito ao longo dos volumes e é muito mais uma história de amor do que de sexo. Tem sexo, sim, mas é muito diferente do que a maioria das pessoas imaginam que é. Já falei demais, é ler para saber 😉

Cabelos de anjo

Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa, já dizia Sócrates. Uma coisa é folhear uma revista, tomando um Ovomaltine, e ter a certeza de que a atriz da capa está montada no photoshop. A menina não tem poros, não tem pelos e você sabe que ela não é assim de verdade. Outra coisa é quando você assiste a um desfile da Victoria’s Secret.

Já ouvi gente dizer que entra em depressão #dramas, para de comer o que está comendo na hora, dá um bizu na própria barriga e se promete realmente seguir a dieta a partir da próxima semana. Acho tudo muito dramático, porque né, beleza é metade genética, e metade esperteza, já dizia Platão. E como já falei das artimanhas que se usam para deixar mulheres lindas ainda mais bonitas (se é que é possível; mentira é sim), vamos ver o que esse ano agregou a nosso conhecimento truqueiro:

Captura de Tela 2013-12-16 às 23.38.02

Todos os produtos usados nos cabelos foram ghd: secador, chapinha e babyliss. A marca é tão boa quanto cara, é a Ferrari dos produtos de cabelo, e o secador deles é praticamente o equivalente de uma Mason Pearson, aquela que todas querem e poucas têm coragem de comprar. Não surpreende. Rolou até um vídeo no canal da marca ensinando a enrolar os cabelos com a chapinha de maneira super fácil mas eu achei que ficou parecendo que Lindsay dormiu com um gato na cabeça. Então achei bem melhor e mais explicativo esse vídeo aqui:

Acho que eles realmente usam produtos da Victoria’s Secret, e esse Body & Hold é um mousse para dar textura e volume aos cabelos que parece ser bem honesto. Eu morro de medo de testar essas coisas porque uma coisa que não preciso no meu cabelo é de corpo, mas não vou mentir que, realmente, volume é o que deixa os cabelos bonitos, e a mulher mais sexy. Fazer o quê. Acho curtinho legal, adoro a Maria Casadevall (não é pra ser rap, mas rimou), perdi minha implicância com Karlie Kloss depois de assistir a uma entrevista com ela e agora acho ela uma fofa mas… Realmente acho que mulher de cabelo comprido – na grande, esmagadora maioria das vezes – é mais sexy.

A novidade ficou por conta do… batom na cara. Não aquele fui retocar o batom bêbada e errei o alvo, e sim uma versão revisitada do usando batom como blush que a gente já fazia para se safar quando esquecia o blush em casa há séculos, dessa vez por baixo da base, antes de passar o blush em pó. E não é que ficou bom e com cara de saudável? Aí que eu tava achando esse papo meio 2003, sei lá, eu usava batom como blush em 2003, mas descobri que não, que o assunto tá super em voga! Olha aí na Into The Gloss, uma matéria só sobre batons que dão ótimos blushes.

Aí você junta a isso quilos de glitter corporal, auto bronzeador, base para o corpo (aquelas mesmas que usam sempre que um desfile envolve biquíni), apliques de cabelo, cílios postiços. E você pode não ser Gisele, mas com certeza fica uma versão muito melhorada de você mesma se tentar a mesma coisa. E descobre que não precisa ficar depressiva, precisa é ficar esperta. Enquanto você resmunga que não tem o corpo de uma angel, tem uma amigue passando autobronzeador e spray de brilho para sair, então anime-se, cada um luta com as armas que tem. Maquiagem é uma coisa de Deus e foi feita pra essas coisas, para tornar você uma pessoa mais feliz e confiante. E o homem moralista que disser o contrário está mentindo, porque ele se acha descolado o suficiente. “Acho lindo mulher ao natural, de tênis e camiseta, sem maquiagem”, mas totalmente sairia com Candice Swanepoel se pudesse. Não acredite nos homens, já dizia Aristóteles.